Segurança do Pix – Conheça os 5 principais mecanismos

Os 5 principais mecanismos de segurança do Pix são:

Como você já sabe, o Banco Central é o órgão criador do sistema de envio instantâneo de dinheiro. Por conta disso, é sua função cuidar da segurança da ferramenta. Não é à toa, portanto, que o BC aprimora mecanismos de segurança do Pix constantemente, sempre com novos recursos.

Neste artigo, você aprenderá tudo sobre os 5 principais mecanismos de segurança do sistema e uma visão geral sobre se o Pix realmente é seguro ou não.

1) Limites de envio

1) Limites de envio

O primeiro mecanismo de segurança do Pix é a criação de limites de envio de dinheiro através do sistema. Assim, é possível desincentivar a aplicação de golpes ou, no mínimo, reduzir os danos causados às vítimas.

Atualmente, os limites de envio do Pix são divididos nas seguintes categorias:

  • Limite de Pix por dia: é um valor determinado por cada instituição. No RecargaPay, por exemplo, é de R$ 20 mil diários.
  • Limite de Pix por mês: é um valor autorizado para envios a cada mês. Também é determinado por cada instituição financeira. No RecargaPay é de R$ 40 mil mensais.
  • Pix Noturno: é um limite para transações feitas durante a noite. É determinado em R$ 1.000 em todos os casos, pelo Banco Central. No entanto, pelas novas regras do Pix, cada usuário pode escolher se esta limitação começa às 20h ou 22h.

Além desses limites, cada usuário ainda pode determinar limites próprios para se proteger de golpes. Ao estabelecer valores menores, você pode limitar quanto um golpista pode tirar da sua conta e, assim, reduzir os prejuízos.

2) Motores antifraude

2) Motores antifraude

O próprio Banco Central investe pesado em medidas de segurança do Pix e, assim, conta com alguns motores antifraude instalados no sistema. Na prática, esses motores são algoritmos que atuam fiscalizando as transações e identificando práticas que possam soar como fraudulentas.

Quando uma transação considerada atípica é detectada, o motor antifraude ativa a proteção cautelar e o deixa o Pix bloqueado por até 30 minutos (caso o envio seja durante o dia) ou até 60 minutos (caso a transação seja durante a noite).

Esse envio qu foi bloqueado é analisado pelos sistemas de segurança e técnicos do Banco Central e, caso realmente não seja seguro, é rejeitado totalmente, protegendo o usuário.

Essa medida foi criada para o BC ampliar a base antifraude no Pix e, assim, combater contas laranjas, que são usadas somente para receber recursos oriundos de golpes ou fraudes.

3) Autenticação de pagamento

3) Autenticação de pagamento

O celular dos usuários e os aplicativos bancários também são elementos que ajudam na segurança do Pix, especificamente durante a autenticação do pagamento.

Sempre que um usuário precisa enviar um pagamento via Pix, o envio deve ser autenticado pelo app. Isso é feito de várias formas:

  • Senha de acesso
  • Biometria no celular
  • Identificação facial para desbloqueio
  • Certificado digital
  • Token

Essa proteção ajuda a limitar a ocorrência de golpes do Pix, pois impede o acesso de terceiros às contas dos usuários. Ou seja: quanto mais ferramentas de autenticação, mais difícil é alguém invadir uma conta e fazer um envio sem autorização.

As ferramentas de autenticação estão sempre em constante otimização. O Banco Central anuncia mudanças para ampliar a segurança do Pix constantemente, sempre se adaptando aos novos golpes aplicados por criminosos.

4) Marcadores de golpes

4) Marcadores de golpes

Uma forma de evitar golpes no Pix é o uso de marcadores nas transações. Isso é possível porque as informações das transações de dinheiro não são feitas via Internet, mas sim por uma rede própria: a Rede do Sistema Financeiro Nacional (RSFN).

Basicamente, essa rede é única e fora da Internet, sem possibilidade de entrar por quem não é autorizado. Todas as transações do Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB) transitam por lá. Por conta disso, o Banco Central tem total controle sobre a rede e, assim, consegue “marcar” transações fraudulentas.

Imagine, por exemplo, que você foi vítima de um golpe e o golpista tirou R$500 da sua conta. O Banco Central consegue marcar aquela transação como uma “fraude” e, assim, aquela conta do golpista é identificada como fraudulenta. Sempre que um dinheiro for enviada para ela, a proteção será ativada pra evitar problemas.

Isso acontece porque, recentemente, o Banco Central mudou regras do Pix para evitar fraudes e vazamentos de dados, sempre se adaptando às novas práticas dos criminosos.

Segundo explicou Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, à Câmara dos Deputados (via IstoÉ):

“Quando alguma fraude é cometida por Pix, é preciso ter uma conta receptora. Se eu chego para você e peço para fazer um Pix para mim, de duas, uma: ou vai ter um Pix na minha conta, com todos os meus dados lá, e vai ser fácil me prender; ou eu estou recebendo por uma conta laranja, intermediária”

Entretanto, tenha em mente que, apesar de nem sempre ser possível evitar o prejuízo, é possível que a vítima de golpe do Pix possa reaver dinheiro na Justiça.

5) A segurança da chave Pix

5) A segurança da chave Pix

Por fim, a última camada de proteção e segurança do sistema do Banco Central é o uso de uma chave Pix. Apesar de não ser obrigatório, usar uma chave ajuda a reduzir o compartilhamento de dados e te mantém mais protegido ao transferir e receber dinheiro.

Isso acontece porque, com as chaves, você não precisa mais passar todos os seus dados para quem for pagar. Basta enviar o identificador. Assim, você pode receber dinheiro mesmo de forma anônima.

A melhor chave Pix para proteção e anonimidade é a chave aleatória. Afinal, ela só revela seu nome e partes do CPF, apenas para confirmação do envio. Outras chaves, como CPF, telefone e e-mail, são indicadas apenas para conhecidos e familiares.

Caso você acabe enviando dinheiro para a chave errada, não precisa se preocupar. Saiba que existe o que fazer para recuperar o dinheiro de um Pix na conta errada.

Com todas essas medidas, a segurança do Pix é eficaz?

Com todas essas medidas, a segurança do Pix é eficaz?

Sim, sem dúvidas. Todas essas medidas de segurança fazem com que o seja possível dizer que o Pix é seguro. Entretanto, isso não significa que seja impossível a ocorrência de problemas pontuais no sistema.

Apesar de toda a segurança do Pix, ainda existe um elemento impossível de controlar: o ser humano. Esse é o “elo frágil” do sistema e, portanto, o ponto de exploração de criminosos.

Todas as fraudes no Pix mais conhecidas exploram o elemento humano: seja ao enganar as pessoas, seja ao se aproveitar de desejos de enriquecimento.

Além disso, os criminosos especializados nesse sistema também sequestram pessoas ou fazem assaltos focados na obtenção de liberação das medidas de segurança para conseguir dinheiro.

Conclusão

Agora você já sabe quais são os 5 principais mecanismos da segurança do Pix: limites de envio, motores antifraude, autenticação de pagamento, marcadores de golpes e a chave Pix.

O recomendado é que você adote certas práticas que vão aumentar cada vez mais a sua segurança. Por exemplo, ative todo tipo de biometria e segurança no seu celular e conta bancária.

Caso você seja vítima de um golpe, no entanto, tenha atenção para solicitar o bloqueio das contas o mais rapidamente possível.

Perguntas Frequentes

1. Qual a segurança do Pix?

2. Como ter mais segurança com o Pix?

3. Como se proteger de Pix falso?

4. O que é mais seguro Pix ou TED?

5. Consegue rastrear Pix?

06-LEA-AGO24